domingo, 27 de setembro de 2009

DISLEXIA

A dislexia (do grego: dus = difícil, dificuldade; lexis = palavra.) é um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração.

A dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas realizadas em vários países mostram que cerca de 10 a 15% da população mundial é disléxica.

Ao contrário do que muitos pensam, a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição socio-económica ou baixa inteligência. Ela tem sido vista como uma condição hereditária devido a alterações genéticas mas tal só acontece numa pequena percentagem de casos. Ela também é caracterizada por apresentar alterações no padrão neurológico.

Sintomas (sumários)

Tem sempre:

-dificuldades em escrever;

-dificuldades com a ortografia;

-lentidão na aprendizagem da leitura;

Muitas vezes :

-disgrafia (letra feia);

-discalculia, dificuldade com a matemática, sobretudo na assimilação de símbolos e de decorar tabuada;

-dificuldades com a memória de curto prazo e com a organização’;

-dificuldades em seguir indicações de caminhos e em executar sequências de tarefas complexas;

-dificuldades para compreender textos escritos;

-dificuldades em aprender uma segunda língua.

Algumas vezes:

-dificuldades com a linguagem falada;

-dificuldade com a percepção espacial;

-confusão entre direita e esquerda.

LEITURA

- O disléxico tem uma deficiência na decodificação dos símbolos escritos, o que os impossibilita de compreender o significado de um texto.

- Quando lê, a sua tensão está voltada para o código, em consequência, esquece do sentido do que acabou de ler.

- A velocidade normal de leitura de uma palavra é de 200 a 300 milisegundos. O disléxico leva em 600 milisegundos.

- A maioria dos disléxicos tem também disgrafia, que é a letra "muito" feia.

- Possuem também dispraxia (pouca eficácia motora), em consequência não conseguem organizar-se no espaço da folha do caderno. As letras geralmente variam de tamanho e parecem “pular” das linhas.

- Lê sem respeitar a pontuação e “junta” palavras pois, devida ao seu problema de sequenciação, não identifica o final delas.

- Pouco domínio do sistema ortográfico, pois possui a dificuldade de identificar, descriminar, escolher a representação gráfica.

ESCRITA

- Pouco domínio do sistema ortográfico, pois possui a dificuldade de identificar, descriminar, e escolher a representação gráfica.

- O disléxico não consegue transformar seus pensamento em palavra escrita.

Elaborar um texto é extremamente laborioso, com muita dificuldade em construir sequências e parágrafos num sentido lógico-gramatical. Em consequência o texto sai extremamente pobre, discrepante com o conteúdo da sua imaginação, que geralmente é muito criativa.

- Como sua leitura é muito lenta, demora muito tempo para elaborar cópias.

- Devido ao seu problema com sequenciação, não consegue usar dicionários, tem muita dificuldade, pois a informação inverte na hora em que é trazida.

- Não consegue decorar regras gramaticais, graças ao problemas com memória imediata e consequentemente, de trabalho.

- Dificuldade na expressão oral, principalmente se for uma resposta rápida. A linguagem oral também depende da habilidade fonológica, pois para isso é necessário que se vá até o “dicionário interno”, selecione os fonemas apropriados, ponha-os em sequência lógica e o expresse a palavra.

COMO AJUDAR .

Permitir fazer redações gravadas ou ditadas por outra pessoa.

Permitir a redação em duplas: um pensa o outro escreve e depois inverter.

Permitir o desenho colorido de uma redacção, do seu começo, meio e fim e depois representar esses desenhos em palavas.

Permitir o uso de cópias de caderno de colegas, da matéria dada.

Permitir o uso de gravador para determinados momentos da aula.

Permitir alternativas á leitura de livros, como filmes, peças teatrais, livros-áudio.

Permitir que a prova” do livro seja um desenho, uma colagem, ou qualquer outro meio alternativo de expressão.

Permitir o uso de computador para elaborar textos.

Ultilize material visual, como fichas coloridas.

Permitir provas com consulta se o assunto for regras gramaticais.

Diminuir a carga dos trabalhos de casa.

Permitir fazer avaliações com tempo extra, sozinho e com tutor para explicar o que cada questão esta solicitando.

As avaliações devem conter poucas questões, com enunciados claros e simples.

Evitar situações constrangedoras, como por exemplo, pedir para ler em voz alta.

(Baseado in Alcino Silva do Moodle do Agrupamento Vertical de Ponte de Sor)

Fontes:

Prof. Mário Angelo Brággio – “INCLUSÃO DO DISLÉXICO NA SALA DE AULA”

Dra. Ana Luiza Amaral Borba- psicopedagoga-psicóloga – “COMO LIDAR COM O DISLÉXICO NA SALA DE AULA”

Dr. Jaime Zorzi – fonoaudiólogo- “RELAÇÃO ENTRE ORALIDADE E ESCRITA : PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO Á LINGUAGEM”

Profa. Dra. Alessandra Copovilla, médica pesquisadora USP – “DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E ESCRITA”

Dra Tânia Maria de Campos Freitas –psicopedagoga clínica-“ALTERAÇÃO NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA”

Dra. Maria Eduarda F. De Carvalho- psicopedagoga especialista em descalculia - “O RACIOCÍNIO LÓGICO E A MATEMÁTICA”

Dra. Ana Alvarez-fonoaudióloga-“ATENÇÃO, MEMÓRIA E APRENDIZADO”

Dra. Maria Inês Fernandes- fonoaudióloga- “APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA.”

Seminários realizados pela ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISLEXIA, 2005.

Sally Shaywitz, M.D.- “OVERCOMING DYSLEXIA”

Marshall-“A GUIDE TO CHILDREN WITH DYSLEXIA”

8 comentários :

David disse...

Olá colega.
Gostei do que li.
Eu tenho um primo que vai fazer 8 anos. Ele tem dislexia e hiperactivo. Ele socorre muito a brincadeiras, talvez age dessa forma para disfarçar as suas dificuldades.
Obrigado pelo blog que contém informações uteis.
Um abraço e tudo de bom.

Isabel Preto disse...

Quanto jeito me terias dado no ano anterior, quando fiz a Formação sobre dislexia... Muito interessante aquilo que escreveste, sobretudo as estratégias, que é sempre o que nos falta!
Beijos

Céu Vieira disse...

Olá querida Mariana, boa tarde!
Muito interessante este texto sobre a dislexia...
Muito obrigada por partilhar connosco. É sempre bom saber acerca destas coisas. Tenho um sobrinho, que estavam desconfiados que sofria deste problema, mas acho que passou, porque ele seguiu bem e já é um homem perfeito sem problema algum...
Passe pelo meu blog e leve o selinho que lá está, mas só segue as regras se quiser.
Beijinho querida amiga

Ana disse...

Ólá amiguinha!
Foi muito importante transmitires esta mensagem sobre a "dislexia", porque fiquei a saber muito mais sobre esse distúrbio. Há muitos anos atrás, quando a filha de um amigo ingressou na escola, chamaram-no e transmitiram-lhe que a menina tinha esse “problema”. Nunca tinha ouvido falar e notei-o bastante preocupado, mas não se abriu muito, apenas disse que ela trocava as letras ao escrever e pouco mais. Também não insisti em fazer mais perguntas. Este meu amigo e a esposa são licenciados e até me pediu para não dizer nada, mas que a filha ia ter acompanhamento.
Posteriormente (ainda eu trabalhava na área de recursos humanos) outro colega de trabalho candidatou-se ao respectivo subsídio, porque uma das filhas sofria de dislexia e a menina estava a ser assistida por uma psicóloga. Soube há pouco tempo que felizmente ela melhorou muito.
Ninguém está livre de vir a ter uma criança com este problema, é bom estar bem informado.
Um grande beijinho repleto de caronho,
Ana Paula

Francisca disse...

Sim senhor, os meus parabéns. Este texto está com muita informação, e toda ela organizada. Obrigada, fiquei a saber mais,

Sim, pelo que li, a dislexia é um problema muito grave. Tendo dificuldades na leitura e na escrita, quase que impossibilita a comunicação.


Os meus sinceros parabéns pelo trabalho
Beijinho
Francisca

Francisca disse...

De facto, ser disléxico deve ser bastante incomodativo, porque não sabendo ler nem escrever, a comunicação entre seres humanos torna-se quase impossível.

Os meus sinceros parabéns pelo texto, que está muito rico em informações interessantes. Obrigada, pois adquiri conhecimentos.

Beijinhos

Francisca Sousa

Francisca disse...

Gostei de saber mais coisas sobre este problema. Tendo a leitura e a escrita dificultadas, é quase como ter a comunicação impedida.

Beijinhos


Francisca

mariana emidio disse...

Obrigada pelos vossos comentários, mas permitam-me que faça um destaque muito especial ao comentário da minha amiguinha Francisca, uma menina LINDA de onze anos, que já é uma grande poetisa.
Obrigada a todos, mas para ti Francisca vai um beijinho muito terno e que nunca percas a capacidade de sonhar, minha querida!

Mariana