sexta-feira, 27 de novembro de 2009

COMO SERÁ PARA UMA CRIANÇA CRESCER SOZINHA?

"Eu sou uma criança jovem, ainda tenho 12 anos e sofro por crescer sozinho. Desde os meus 2 anos que os meus pais estão separados. Era bebé e não senti diferença alguma. Agora que passaram 10 anos, sinto uma grande dor dentro do meu coração. Vivo com a minha mãe mais os meus 2 irmãos que são mais velhos. A minha mãe só quer trabalhar, trabalhar, trabalhar, o que não é necessário. Trabalha 18 horas por dia, um grande exagero. Os meus irmãos são mais velhos e estou sete horas com eles. O meu pai vive com outra mulher, da qual tem uma filha de 8 anos. Só estou com a minha mãe às 22 horas da noite e vou para a cama depois da uma. Tenho explicações, mas na família não há quem me leve à escola e cuide de mim. Posso não ter quem me ajude mas na escola tiro 4 e 5. Mas isso não é suficiente, só aumenta mais esta dor. Devem estar a perguntar porque não falei no meu pai. Ele é empresário de pesca e só estou com ele ao fim-de-semana.
A revolta que sinto dentro de mim não é por os meus pais estarem separados, mas sim porque não me dão carinho. Às vezes sinto curiosidade em saber como é viver em casa do meu pai durante os dias de semana.
Só quero que a minha família compreenda que preciso de mais carinho, amor e atenção. E quem ler esta mensagem que pense se não se passa o mesmo com os seus filhos.
"

Os profissionais que se confrontam diariamente com a dor dos outros, seja ela física ou psicológica, vão encontrando mecanismos de defesa, de forma que, embora sendo empáticos, não se deixem arrastar pelo sofrimento alheio. Apesar de não ficar indiferente a nenhum problema que me seja relatado, sobretudo se este implicar grande angústia e sofrimento, o discurso desta criança, durante um atendimento, deixou-me muito perturbada. O relato escrito que ela elaborou para transmitir o quanto sofre com a ausência dos pais traduz muito superficialmente o desespero que deixou transparecer no seu discurso e lágrimas. "Prepare-se que vou chorar muito": foram estas as palavras com que o aluno em questão iniciou. E chorou, chorou, chorou... Admitiu que não era capaz de conversar com os pais sobre a sua solidão e aceitou que os chamasse e lhes transmitisse os seus sentimentos, mediante o fornecimento do texto com que iniciei esta reflexão e que foi escrito por ele.

Estranhei o silêncio do pai que se comprometera a marcar atendimento depois de contactar a mãe do aluno. Quando tentei novamente marcar atendimento com a mãe, esta informou-me que o filho lhe dissera que afinal o seu problema estava resolvido e que já não era necessário falar com a psicóloga. Embora aqui não possa revelar, sei porque me quis manter longe dos pais.

A falta de tempo para os pais acompanharem o percurso de vida dos filhos é um tema já muito gasto, tão gasto que quase me pareceu inútil abordá-lo. Mas depois de ponderar, concluí que não podia deixar estas palavras fechadas no processo do aluno. Na verdade, tal como ele diz, é importante pensarmos se os nossos filhos não estarão a viver nas mesmas circunstâncias. Sei que em muitas situações o mercado do trabalho limita e condiciona fortemente o tempo para estarmos com os nossos filhos, mas em muitas outras talvez não tenhamos os filhos como primeira prioridade, podendo estes estar a pagar uma factura demasiado alta.

Inhttp://www.educare.pt/educare/Opiniao.Artigo.aspx?contentid=5ACA05C9D40A79E8E0400A0AB8002F82&channelid=5ACA05C9D40A79E8E0400A0AB8002F82&schemaid=&opsel=2

3 comentários :

Isabel Preto disse...

Oh, Mariana...é isso que me faz hesitar...mas não estou a ver saída:(
Crescer sem família realmente marca-os para sempre.
Beijinhos.

Ana disse...

Querida amiguinha Mariana, adorei este texto fantástico e muito pertinente.

Numa separação quem paga o preço mais alto são sempre as crianças, e acaba por marcá-las muito.

Infelizmente de há uns tempos para cá a vida profissional das mulheres não é em nada diferente da dos homens e passam muito tempo no local de trabalho, por vezes pelas exigências das funções.
No entanto tudo tem um limite, não digo que esporadicamente não possam ficar até mais tarde, mas por sistema é grave! Quantas vezes quando trabalhava não alertava aquelas que tinham filhos, que saíssem a horas normais e não ficassem no trabalho até à noite, porque ninguém agradece nada. Fi-lo porque cometi o mesmo erro no passado, quando a minha filha andava já na escola e passava muito tempo à espera que eu chegasse a casa. Hoje faria tudo diferente, acredita!

Neste caso esta mãe deve ter necessidade de trabalhar mais horas para ganhar mais algum dinheiro, uma vez que é divorciada, e todas as mães querem que não falte nada aos seus filhos, mas a esta menina, falta-lhe o mais importante, que é a "atenção".

Enfim, também não consigo ver saída, para esta situação:-(

Obrigada querida amiguinha por partilhares estes assuntos tão importantes.

Um grande e doce beijinho,
Ana Paula

Céu Vieira disse...

Boa noite querida amiga Mariana.
Que texto tão importante, tão preocupante e real!... Fiquei sem palavras...!
Estamos num mundo de desiquilibrios, que não sei onde vai parar. Neste andamento, o que vai ser dos homens e das mulheres de amanhã?! Preocupa-me bastante, sabe!... Deus nos ajude a fazermos a nossa parte, para que os nossos descendentes tenham um futuro melhor!
Beijinho e um abraço de muito carinho