quinta-feira, 4 de março de 2010

VIOLÊNCIA ENTRE PARES

O bullying não é uma "coisa de miúdos" a ser desvalorizada por pais e professores. Quando insultar, gozar e bater no colega se tornou a rotina preferida do grupo há que saber parar com a agressão.

O Manuel era conhecido por "mijão", a Ana por "rata sábia", o António por "monte de banha". As alcunhas são reais, as crianças também. Os testemunhos foram recolhidos por Margarida Gaspar Matos, psicóloga e docente na Faculdade de Motricidade Humana de Lisboa. Chamar nomes, gozar, fazer troça, excluir de brincadeiras, humilhar e ridicularizar são comportamentos que fazem parte da rotina de um número significativo de adolescentes em idade escolar.

Por certo que, num percurso, mesmo que distraído, pela realidade escolar portuguesa iríamos encontrar outros "monte de banha", ou "bola-bola", ou "cheira mal", numa lista interminável de atributos que mais ou menos toda a gente já ouviu ou até disse pela vida fora. A banalização destes jogos de poder entre as crianças e jovens leva, frequentemente, a reacções de indiferença, quer por parte dos pais, quer por parte dos professores. No léxico nacional, no entanto, o termo bullying tem vindo a tornar-se cada vez mais familiar, alertando as consciências para uma prática continuada e persistente de agressão entre os mais jovens e trazendo para a ordem do dia a violência entre pares na escola.

Tanto Margarida Gaspar Matos como Ana Tomás Almeida, professora no Instituto de Estudos da Criança (IEC) da Universidade do Minho, convergem na ideia de que o termobullying não é mais do que um conceito novo para um comportamento antigo e não a expressão do aumento dos casos de provocação. "Os maus tratos contra aquele que é diferente sempre existiram, existe é um conceito novo para identificar o fenómeno", esclarece Ana Tomás Almeida. "É claramente um termo recente, para um fenómeno antigo. A informação do cidadão e o interesse dos media poderá, se bem canalizado, ajudar a prevenir esta prática e as suas consequências", confirma Margarida Matos.

Importado da raiz anglo-saxónica, o conceito de bullying equivale ao português bulhão, zaragateiro e está associado às crianças e jovens. Algo que, na idade adulta, se passa a designar por assédio. Em todo o caso, o que distingue claramente o bullying da provocação ocasional é o seu carácter repetitivo e intencional, que faz com que a vítima não tenha um discurso coerente sobre o que se está a passar e sofra em silêncio.

A normalidade das brigas entre crianças gera, amiúde, a desvalorização do que está a acontecer. "Em muitas situações de violência há uma tolerância, o adulto acaba por considerar que é algo normal e natural", explica Ana Tomás.

De acordo com o relatório nacional "Os adolescentes portugueses (quatro anos depois)", coordenado por Margarida Gaspar Matos, metade dos jovens inquiridos afirma ter sido provocado na escola, nos últimos dois meses, enquanto que um terço afirma ser provocador.

O estudo recolheu dados sobre mais de seis mil adolescentes de escolas públicas portuguesas em 1998 e em 2002, dos 11, 13 e 15 anos. Neste trabalho, concluiu-se que os rapazes se envolvem mais frequentemente em actos de violência na escola, quer enquanto vítimas, quer enquanto provocadores. Este comportamento atinge o pico aos 13 anos, sendo que os adolescentes são sobretudo vítimas aos 11 anos, de duplo envolvimento (simultaneamente agressores e vítimas), aos 13 e mais agressores aos 15 anos - o que significa que as vítimas de hoje poderão ser os agressores de amanhã. Gozar, insultar e fazer troça é o tipo mais usual de bullying (34,1%). Mas também há espaço para os boatos, dar empurrões, deixar de fora das brincadeiras.

A simples diferença do outro - a Ana tirava boas notas a Ciências, o Manuel urinava nas calças e o António tinha um peso acima da média - está associada ao comportamento de provocação. Ana Tomás alerta especialmente para o caso das crianças com deficiência, que, ao contrário do que se poderia julgar, não estão a salvo destes tormentos. Bem pelo contrário, já que a deficiência pode servir como motivo de chacota ou provocação entre pares.

À medida que a agressão se prolonga no tempo, os rombos na auto-estima vão sendo maiores, as vítimas isolam-se, começam a ter comportamentos agressivos em casa, perante o desnorte dos pais, sentem-se perdidas.

Mazelas que ficam para a vida

Apesar de este ser um fenómeno típico da adolescência, as consequências acabam por estender-se à vida adulta. Como explica a docente do IEC, "não é por acaso que os estudos referem que as relações entre pares na idade escolar são os aspectos da nossa vida que podem ajudar a prever a nossa satisfação na idade adulta".

Rui é hoje um jovem adulto que não apagou da memória os casos de provocação a que foi sujeito, durante o Ensino Básico. Perante um grupo de professores, alunos e pais, numa sessão de formação sobre as relações entre pares na idade escolar, na Escola EB 2,3 de Lamaçães (Braga), conduzida por Ana Tomás Almeida e organizada pela Associação Nacional para o Estudo e Intervenção na Sobredotação (ANEIS) - Rui contou como foi com ele. Primeiro na escola primária: os meninos com melhor aproveitamento eram postos de parte no recreio. Depois no 2.º ciclo: era sempre o último a ser escolhido para os jogos em Educação Física, continuava a ser posto de parte pelos que tinham piores notas e por aí foi, até à agressão em plena sala de aula e à espera que os mais velhos do 9.º ano fizeram no recreio para o agredirem. "Sempre achei que podia aguentar, até um dia em que desabafei tudo com a minha mãe", testemunha. Hoje, os episódios de bullying são mais do que uma má recordação. "Estou sempre com um pé atrás nas relações entre as pessoas", desabafa Rui. Para concluir: "Reconheço que, actualmente, tenho, por vezes, reacções irracionais e que não sei lidar com certas situações".

O papel dos pais e dos educadores

Em meio escolar, os grupos são fechados e a hierarquização é muito grande, o que favorece este grau de desigualdade entre os mais fracos e os mais fortes. Não só os pais devem estar atentos, tentando perceber se as provocações são ou não intencionais e persistentes, como os próprios professores devem estabelecer estratégias de destruição das atitudes de discriminação entre pares. "A atitude dos pais deve ir no sentido de descobrir que outras actividades pode realizar o filho, que amizades alternativas podem ter e não encorajá-los, por proteccionismo, a não ter outros amigos", aconselha Ana Tomás Almeida.

Na escola, a solução poderá passar por criar gabinetes de mediação de conflitos e, por exemplo, por pôr em evidência as qualidades dos adolescentes afectados. Se nem todos gostam de jogar futebol, que muitas vezes pode servir de motivos de exclusão do grupo, a comunidade escolar pode, em alternativa, organizar um campeonato de xadrez ou de literatura.

Ana Almeida recorda-se do caso de um grupo de alunos que, num jogo na sala de aula, colocou o aluno mais fraco com funções de redactor do grupo, precisamente para que ele pudesse treinar uma competência em que não se sentia tão capaz, estimulando-o a ensinando a desempenhar a tarefa. "No final, ele estava feliz porque os outros lhe tinham dado essa oportunidade", exemplifica.

Sendo a violência entre os pares algo que surge espontaneamente num grupo fortalecido, a melhor forma de a deixar crescer e solidificar é menosprezando as atitudes de provocação, considerando-as "coisas de miúdos". É que, lembra Ana Almeida, "a violência não existe porque existem opressores e vítimas, mas porque nós deixamos".

in educare

0 comentários :